segunda-feira, 24 de agosto de 2009

50 Presentes de Pai para Filho

A cada dia, sem nem perceber, damos presentes que nossos filhos vão levar para o resto da vida. No nosso aniversário, uma lista recolhida entre alguns dos pediatras e educadores mais respeitados do mundo

1. Brinque com seus filhos.
O lance é liberar geral: permita que eles escolham a brincadeira e não se preocupe demais com as regras. Deixe rolar e divirta-se também. Isso é que é o essencial.

2. Coloque seu bebê no berço quando estiver sonolento, mas ainda acordado. Isso ajuda a criança a aprender a dormir sozinha e evita as célebres noites em claro.

3. Tome o controle.
As crianças precisam de limites. Longe de fazerem mal, eles ajudam a entender e administrar melhor um mundo que parece bastante confuso para quem acabou de chegar.

4. Sim, a vida de hoje é corrida e você trabalha muito. Mas tente fazer ao menos uma refeição em família todos os dias. É um momento para todo mundo contar como foi o dia, rir das piadas que só têm graça em família e por aí vai. Também é uma boa oportunidade para ajudar as crianças a desenvolverem hábitos saudáveis.

5. Não corte as asas dele. A gente cria filho para o mundo, certo? Ganhar independência é parte da vida. Então, quando a criança for capaz de guardar os brinquedos sozinha, tirar o prato da mesa, se vestir sem ajuda, deixe. Dar responsabilidade é bom para a auto-estima dela (e a sua sanidade!).

6. Leiam livros juntos todos os dias.
Pode começar cedo, desde recém-nascido mesmo: bebês amam escutar o som da voz dos pais. Bebê no colo ouvindo história é uma delícia, para você e para ele – uma experiência que vai criar elos com a leitura para a vida inteira, pode apostar.

7. Vacine seus filhos, todas as doses do calendário obrigatório e mais as que o pediatra indicar. Pode parecer maluquice, mas tem gente que acha que não precisa. As epidemias de sarampo e outras doenças ainda ocorrem em nosso país e por todo o mundo. Não é só de gripe suína, não.

8. Criança sente raiva, sim.
Todo mundo sente, ué. Reconheça as emoções do seu filho. Quando ele tiver um ataque de birra daqueles, espere terminar e converse. Pergunte a ele coisas do tipo: "Como essa cena fez você se sentir?" e "O que você pode fazer para se sentir melhor?" E escute a resposta, de verdade. Ele vai se recuperar dessas crises mais facilmente se você deixá-lo expressar seus sentimentos. Raiva é um deles.

9. Ame seus filhos com a mesma intensidade, mas trate cada um individualmente. Eles não são a mesma pessoa. Por que você se relacionaria com cada um exatamente do mesmo jeito? Respeite os sentimentos deles, mas também os seus, que fica tudo certo.

10. Diga “eu te amo” sempre que você sentir vontade, mesmo que seja 743 vezes por dia. Isso não é mimo, não, é amor, o maior que você vai sentir na vida. E não existe essa de que amor demais estraga.

11. Programe um tempo especial exclusivo com seu filho. Deixe seu filho escolher um jogo, uma brincadeira, um livro que vocês leiam juntos, nem que seja por 10 ou 15 minutos. E não deixe que nada neste mundo interrompa esse momento.

12. Ensine seus filhos a conversar olhando nos olhos das pessoas. O contato do olhar ajudará a criança tímida a parecer mais confiante e ajudará qualquer criança a ser mais objetiva e menos debochada.

13. Seja uma pessoa bacana, ética, justa... Essa é a melhor maneira de ensinar valores para seu filho, muito mais que qualquer discurso. As crianças aprendem observando o que a gente faz. É dureza? É, sim. Mas ter filho é uma maneira de a gente melhorar. Sempre.

14. Nada de forçar seu filho a comer. Esqueça o aviãozinho, o cadeirão em frente à TV, as palhaçadas pra fazer o coitado abrir a boca. Criança saudável instintivamente sabe o quanto comer. Se ela sempre deixa comida no prato, tudo bem, não pega nada. Ela não vai morrer de fome.

15. Em vez de se preocupar só com o mundo que vamos deixar para as crianças, precisamos nos preocupar com as crianças que vamos deixar pro mundo. Mais uma vez, dê o exemplo: desperdice menos, recicle, reutilize, reinvente.

16. Sempre diga a verdade. É como você quer que seu filho se comporte, certo? Pois é, então, não tem choro nem vela.

17. Aprenda a dizer não. Não só para o seu filho, mas para o seu chefe, para os amigos, parentes, para quem for necessário. Resista ao desejo de se comprometer com obrigações extras no escritório ou tornar-se a rainha dos voluntários na escola das crianças. Você nunca irá se arrepender de ter passado mais tempo com seus filhos.

18. Todo mundo adora sorriso de criança. Então, precisa cuidar. Dá um pouco de trabalho, sim, mas compensa totalmente. Incentivar a criança a escovar os dentes a cada refeição (e ajudá-la com o fio dental!) vai protegê-la contra as cáries.

19. Ensine seu filho a ser uma pessoa do bem. Quando você lê histórias para ele dormir, por exemplo, pergunte se os personagens estão agindo corretamente ou não e dê a sua opinião também.

20. Não tente resolver tudo por seu filho. Dê a criança a chance de encontrar as próprias soluções. Quando você percebe uma pequena frustração na criança sem imediatamente se apressar em poupá-la dela, você ensina a auto-confiança e permite que ela perceba que é capaz de superar dificuldades.

21. Quem cochicha o rabo espicha? Mais ou menos. Cochiche coisas boas sobre seus filhos; a auto-estima deles vai aumentar. É fato: o que ouvimos “por acaso” é muito mais potente do que as coisas que nos falam diretamente. Elogie seu filho e deixe-o escutar “sem querer” quando estiver cochichando com a avó, o pai...

22. Se for casado, beije e abrace seu marido ou mulher na frente das crianças. As crianças aprendem sobre relacionamento amoroso com os pais. Claro que brigas acontecem, mas demonstrações de carinho são importantes para estabelecer um padrão bacana de como é se relacionar. Se você for separado, trate o ex com respeito. Sempre.

23. Mesmo que seu bebê ainda não saiba falar, preste atenção nos sinais do bebê. Só porque uma criança ainda não consegue falar não quer dizer que não há muitas coisas que ela gostaria de te dizer. Sinais simples (puxar a orelha ou ficar irritado quando está com sono) ajudam a saber do que ela precisa e como ela se sente, bem antes de ela começar a falar.

24. Não é porque seu filho torceu o nariz para uma salada de cenoura uma vez na vida que ele nunca vai comer o alimento. Apresente um mesmo alimento mais de uma vez, preparado de maneiras diferentes. Se a criança rejeitar um novo prato, não perca as esperanças. Pode ser que você tenha de oferecer outras seis, oito ou até dez vezes antes de ela decidir dar uma chance à comida em questão.

25. Mantenha a TV na sala. Ou na sala de TV. Em algum lugar frequentado por toda a família, em que todos possam assistir juntos. Pode parecer legal cada um ter seu próprio aparelho, mas, quando a TV fica no quarto das crianças, você deixa de controlar o que ela assiste e durante quantas horas. Sem contar que os pais com televisão no quarto fazem sexo com menos frequência. Pois é...

26. Reconheça quando você pisar na bola. Todo mundo erra e não seria diferente com os pais, ainda bem, herrar é umano. Ninguém quer ser filho de uma pessoa perfeita, seria um peso e tanto. Errar e assumir o erro é a melhor maneira de mostrar para a criança como e quando deve se desculpar. E tudo bem.

27. Preocupe-se com a segurança do seu filho. Sempre, sempre, sempre. Faça uma blitz e torne sua casa à prova de travessuras de bebê (cheque tomadas e coloque protetores, o mesmo vale para cantos de móveis; e evite as toalhas de mesa com objetos pesados em cima...). Verifique se a cadeirinha do carro está bem instalada, não permita que seu filho ande de bicicleta ou patins sem capacete, nunca o deixe nem um segundo sozinho na banheira etc. etc. etc. Neste quesito, não dá para bobear. Não mesmo.

28. Mexa-se e faça seu filho se mexer. Pesquisas recentes apontam que o desenvolvimento do cérebro das crianças pode estar diretamente ligado ao nível de atividades físicas, mas, mesmo que não estivesse, brincar, balançar ou correr é uma delícia total. Coloque o bebê de bruços, deixe que a criança maiorzinha caminhe em vez de ficar no carrinho o tempo todo, brinque de pega-pega, futebol, amarelinha... Só não pode ficar parado.

29. Não se apresse em tirar a fralda do seu filho. Este é daqueles casos em que a pressa passa e... Não precisa nem completar, precisa? Espere seu filho dar sinais de que está mesmo pronto. Dica: ele vai perceber que está com vontade de fazer cocô ou xixi (não apenas que já fez) e vai se sentir incomodado com a fralda suja.

30. Lembre-se de que disciplina não é castigo. Impor limites é fundamental para ensinar as crianças a como se comportar diante do mundo. É como diz a célebre frase: crianças bem educadas pertencem ao mundo, crianças mal-educadas pertencem a suas mães. E a gente cria filho pro mundo, então...

31. Não crie um filho mimado. Tenha este pensamento em mente: cada criança é um tesouro, mas nenhuma criança é o centro do universo. Ensine-os assim.

32. Reforce a importância dos valores. Diga sempre que, quando a gente é bondoso, generoso, honesto e respeita os outros, faz as pessoas à nossa volta se sentirem bem. E mais importante: a gente também se sente bem. É a velha história: fazer aos outros o que a gente quer que façam com a gente. Básico e verdadeiro.

33. Dê um tempo pra você mesmo. É como a gente sempre diz: mãe – e pai também – é gente. Pedir comida por telefone quando você está cansado demais até para fazer uma omelete não significa que você não é uma boa mãe ou um bom pai.

34. Sabe as boas lembranças de infância que você tem? Seus pais as ajudaram a criá-las. Então, crie boas lembranças. Talvez eles não se lembrem do conteúdo exato dos papos em torno da lareira no sítio ou de todas as histórias que você conta antes de colocá-los para dormir, mas vão se lembrar desses rituais em família por toda a vida.

35. Você e seu marido são casados (ou não), mas não precisam pensar do mesmo jeito sempre. Respeite as diferenças. Apoie as decisões do seu marido (ou mulher) no que toca à educação das crianças. Claro que é normal haver divergências, mas resolva-as nos bastidores, sem bater boca na frente das crianças.

36. Ouça seu pediatra. Sim, seu. Ele é o médico do seu filho, mas também é quem vai orientá-lo na criação dos pequenos. Se seu pediatra diz que a febre de seu filho é causada por um vírus, não insista em pedir receita de antibiótico. Confie nele. E, se não confiar, troque.

37. O cliente tem sempre razão. Uma vez por semana, deixe seu filho ser o cliente. Permita que as crianças escolham o menu para o jantar e cozinhe para eles. Ou melhor: cozinhem juntos, que é muito mais divertido.

38. Escolha as batalhas que valem mesmo a pena. Não dá para brigar por tudo o tempo todo. É estressante para eles e para você. Não brigue por coisas pequenas, como a roupa que seu filho quer vestir e você acha que não combina ou uma gíria que todo mundo usa na escola e que não ofende ninguém. Concentre-se nas coisas que realmente importam.

39. Confie no seu instinto de mãe (e pai). Ninguém conhece seu filho melhor que você, isso é básico. Siga seus instintos quando o assunto for sua saúde e bem-estar. Se você pensa que algo está errado quando vê seu filho diferente, provavelmente você tem razão.

40. Elogie, mas não seja genérico demais. Em vez de simplesmente dizer “você é ótimo”, tente ser específico sobre o que a criança fez pra merecer o elogio. Um exemplo, só para você ter uma ideia melhor: “Gostei de ver a sua paciência quando pedi para esperar um pouco para ler o gibi com você enquanto eu dava comida para o seu irmãozinho”.

41. Agradeça as coisas boas. Se você tem uma religião, faça uma oração com seu filho antes de dormir ou antes das refeições, de acordo com o que você se sentir melhor. Se você não tem uma crença específica, ensine seus filhos a valorizar o que há de bom na vida. Como disse Einstein: "Só há duas formas de viver a vida: uma é como se nada fosse um milagre; a outra, como se tudo fosse um milagre!”

42. Se você é a mãe, encoraje seus filhos a passar mais tempo com o pai. Ainda que os pais da nossa geração participem bem mais da vida dos filhos, alguns ainda precisam de um empurrãozinho. As crianças com pais mais próximos vão melhor na escola e enfrentam as dificuldades com mais tranquilidade.

43. Aproveite cada momento com sua família. Ser pai ou mãe é o trabalho que mais exaure no planeta, quem sabe no universo. Sim, sua casa fica uma bagunça, a lavanderia fica atolada e você ainda precisa cuidar do cachorro. Mas seu filho está sorrindo. Aproveite agora – essa fase passa rápido demais. Você vai ter o resto da vida pra descansar.

44. Trabalhe em equipe. Converse com as pessoas que participam da vida da criança – avós, tios, professores, babá – para ajudar a reforçar os valores e o comportamento que você quer ensinar. Isso vai desde dizer obrigado e a ser bondoso até não ficar resmungando sem razão.

45. Aplique protetor solar no seu filho. Mantenha a embalagem ao lado da pasta de dente da criança. E use os dois todos os dias, como parte da rotina, logo de manhã. Passará a ser algo tão natural quanto escovar os dentes.

46. Não aceite que seu filho falte com o respeito com você. Nunca permita que ele seja rude nem que diga coisas ofensivas a você nem a ninguém. Caso isso aconteça, diga que você não vai tolerar esse tipo de atitude. E seja firme. Não se bate em pai nem em mãe.

47. Elogie quando seu filho fizer coisas legais. Quando você notar que seu filho fez algo bacana, amável, educado, enfim... não considere que faz parte da obrigação dele. Mostre que você viu e gostou do que ele fez. É uma boa maneira de reforçar o bom comportamento. E, assim, será mais provável que ele continue fazendo o bem naturalmente.

48. Às vezes, a gente quer falar com o filho, mas não sabe bem por onde começar, principalmente quando eles já cresceram um pouco. Uma dica que ajuda a quebrar o gelo: faça perguntas começadas com “você” , na linha "você se divertiu na escola hoje?", "do que você brincou na festinha?", ou "onde você quer ir amanhã à tarde?"

49. Cidadania se pratica desde cedo e, como tudo, começa em casa, não tem jeito. Mais uma vez, o lance é dar o exemplo: encontre maneiras de ajudar outros durante todo o ano. Vale trabalho voluntário, recolher doações para a creche do bairro, enfim. As crianças adoram participar desse tipo de ação também.

50. Lembre-se do que os antigos diziam: os filhos não são só nossos, eles nos são emprestados por um tempo. Nesse tempo, faça o melhor que você puder para ajudá-los a crescer e se tornarem pessoas do bem.

Fonte: http://www.revistapaisefilhos.com.br/htdocs/index.php?id_pg=113&id_txt=2678&break=0

sábado, 15 de agosto de 2009

O que tenho não me pertence

O que eu tenho não me pertence, embora faça parte de mim. Tudo o que sou me foi um dia emprestado pelo Criador para que eu possa dividir com aqueles que entram na minha vida.

Ninguém cruza nosso caminho por acaso, e nós não entramos na vida de alguém sem nenhuma razão.
Há muito o que dar e o que receber; há muito o que aprender, com experiências boas ou negativas.

Isso... Tente ver as coisas negativas que acontecem com você como algo que aconteceu por uma razão precisa. E não se lamente pelo ocorrido; além de não servir de nada reclamar, isso vai te vendar os olhos, dificultando, assim, continuar seu caminho.

Quando não conseguimos tirar da cabeça que alguém nos feriu, estamos somente reavivando a ferida, tornando-a muitas vezes bem maior do que era no início.

Nem sempre as pessoas nos ferem voluntariamente.
Muitas vezes, somos nós que nos sentimos feridos e a pessoa nem mesmo percebeu; e nos sentimos decepcionados porque aquela pessoa não correspondeu às nossas expectativas.

E sabemos lá quais eram as nossas expectativas?
Nos decepcionamos e decepcionamos outras pessoas também. Mas, claro, é bem mais fácil pensar nas coisas que nos atingem.

Quando alguém te disser que te magoou sem intenção, acredite nela! Vai te fazer bem.
Assim, talvez, ela poderá entender quando você, sinceramente, disser que "foi sem querer".
Dê de você mesmo o quanto puder!
Sabe, quando você se for, a única coisa que vai deixar é a lembrança do que fez aqui.
Seja bom, tente dar sempre o primeiro passo para a reconciliação, nunca negue uma ajuda ao seu alcance, perdoe e dê de você mesmo o quanto puder!

Seja uma bênção a todos que o cercam!
Deus não vem em pessoa para abençoar. Ele usa os que estão aqui dispostos a cumprir essa missão.
Todos nós podemos ser Anjos.
A eternidade está em nossas mãos.
Viva de maneira honrada, para que, quando envelhecer, você possa falar só coisas boas do passado e sentir, assim, prazer uma segunda vez...

E ter a certeza de que, quando você se for, muito de você ainda ficará naqueles que tiveram a boa ventura de te encontrar.

Autoria Desconhecida