quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Solte a Panela

Certa vez, em uma época de escassez de alimentos, um urso faminto perambulava pela floresta.
Com seu faro aguçado sentiu o cheiro de comida que o conduziu até um acampamento de caçadores e, percebendo que não havia ninguém, foi até a fogueira, ardendo em brasas, e dela apanhou uma enorme panela de comida.Quando a panela já estava fora da fogueira, o urso a abraçou com toda sua força e enfiou a cabeça dentro dela, devorando tudo. Enquanto abraçava a panela, começou a perceber algo lhe atingindo. Na verdade, era o calor da panela...
Ele estava sendo queimado nas patas, no peito e por onde mais a panela encostava.  O urso nunca havia experimentado aquela sensação e, então, interpretou as queimaduras pelo seu corpo como uma coisa que queria lhe tirar a comida.
Começou a urrar muito alto e, quanto mais alto rugia, mais apertava a panela quente contra seu imenso corpo.
Quanto mais a panela quente lhe queimava, mais ele apertava contra o seu corpo e mais alto ainda rugia. Quando os caçadores chegaram ao acampamento, encontraram o urso recostado a uma árvore próxima da fogueira, segurando a panela de comida.
O urso tinha tantas queimaduras que o fizeram grudar na panela e, seu imenso corpo, mesmo morto, ainda mantinha a expressão de estar rugindo.
Quando ouvi esta história de uma determinada pessoa, percebi que, em nossa vida, por muitas vezes, abraçamos certas coisas que julgamos ser importantes. Algumas delas nos fazem gemer de dor, nos queimam por fora e por dentro, e mesmo assim, ainda as julgamos importantes. Temos medo de abandoná-las e esse medo nos coloca em uma situação de sofrimento, de desespero. Apertamos essas coisas contra nossos corações e terminamos derrotados por algo que tanto protegemos e defendemos. Para que tudo dê certo em sua vida, é necessário reconhecer, em certos momentos, que nem sempre o que parece ser bom vai lhe dar condições de prosseguir.
Quantos, sem visão nenhuma, se agarram a situações, a pessoas, a vícios sem conseguir enxergar que, na verdade, estão se agarrando ao sofrimento, à escravidão... Quantos preferem sentir dores profundas que agir para libertar-se. O medo da solidão, o medo de errar ou de ser julgado os prende a um sofrimento contínuo e desgastante. O medo os escraviza e os torna cegos. Outros não largam o que lhes faz sofrer por apego... Mas veja bem... Tudo na vida tem a dose certa para ser vivido. É por isso que Jesus nos disse que não devemos nos apegar a nada neste mundo, nem mesmo à pessoas, à cargos, à posição social... Porque o apego gera cegueira, gera paralisia, acomodação, gera escravidão...O apego, com o tempo, gera dor, sofrimento, angústia... Neste dia eu te pergunto: o que em sua vida tem gerado em você dor e escravidão? Que tipo de apego tem cegado os seus olhos?

Não tenha medo de mudar, porque as mudanças são necessárias e quem não está preparado para isso, corre o risco de ter o mesmo fim do urso... Tenha a coragem e a visão que ele não teve. Retire de seu caminho tudo aquilo que te faz mal, que você sabe que está lhe impedindo crescer. Ore e escute o que Deus tem pra lhe dizer e não se apegue a nada deste mundo.

Solte a panela e seja feliz!



Nenhum comentário:

Postar um comentário